Follow by Email

26 de agosto de 2016

FILHOS DO LULA - OS ROUBOS DE LULA E DA FAMÍLIA ISTO É INCRÍVEL COMO SE ENRIQUECI TÃO RÁPIDO.

ASSISTA ESTES VIDEOS:
OS ROUBOS DA FAMÍLIA DO LULA EX-PRESIDENTE

IMENSA FAZENDA DO LULA NA ARGENTINA, E O GADO SEGUE DO BRASIL PRA LÁ

Resultado de imagem para LULINHADurante 12 anos a ascensão social e o surgimento de uma nova classe média se tornaram marca registrada da gestão petista. 
Um olhar mais atento, no entanto, permite ver que nenhuma outra família é tão representativa desta ascensão quanto a própria família Lula da Silva.
Amparado em excelentes marqueteiros e economistas com estudos duvidosos, como os que definem a classe média como tendo uma renda de R$ 241 per capita, Lula pode dar vazão à sua excelente retórica de modo a tornar cada conquista social e econômica do país intimamente ligada à sua pessoa.
Do aumento das viagens de avião à compra da casa própria, tudo passou a se relacionar diretamente com o governo e como ele age. 
Exceto porém, se você for um membro da própria família de Lula. 
Neste caso, a ascensão e o sucesso profissional em nada se correlacionam com o presidente – mas sim com o mérito próprio. 
Como explicou Lula certa vez quando seu filho, ex-funcionário de um zoológico, recebeu um aporte de R$ 5 milhões de uma empresa de telefonia em sua empresa, sua cria é o que poderíamos chamar de “Ronaldinho dos negócios”.
A imagem sólida de agente transformador da realidade brasileira mantida por Lula ao deixar a presidência, fez com que qualquer desconfiança se tornasse algo menor. 
Suas atitudes fora da presidência, porém, tornaram-se suspeitas, chamando a atenção de órgãos como a Polícia Federal e o Ministério Público. 
Ainda que nenhuma das acusações que pesem contra a família Lula da Silva tenham sido devidamente julgadas, as acusações em andamento são muitas. 
Abaixo listamos 5 enrascadas em que a família Lula da Silva se meteu ao longo desta meteórica ascensão.

Fábio Luis Lula da Silva – Lulinha

Fábio-Luís-Lula-da-Silva
Fábio-Luís-Lula-da-Silva
Fabio Luis Lula da Silva (Lulinha), filho mais velho do ex-presidente Lula e sua esposa Marisa Letícia, tornou-se nacionalmente conhecido ao ver a empresa na qual era sócio com amigos, a Gamecorp, se transformar num dos maiores sucessos do capitalismo nacional. 
Criada com um capital social de R$100 mil, a empresa logo atraiu o interesse de gigantes do setor de comunicação, como a antiga Telemar (atualmente Oi), que pagou R$ 5,2 milhões por uma parte minoritária da empresa.
Lulinha, que anteriormente havia trabalhado como monitor em um zoológico em São Paulo (graças à sua graduação em Ciências Biológicas), ganhando pouco mais de R$ 600 mensais, tornou-se com isso suspeito de tráfico de influência. 
O caso Gamecorp foi arquivado por falta de provas pelo Ministério Público em 2012, mas as façanhas empresariais do filho, cujo pai definiu como “o Ronaldinho dos negócios”, ainda geram atenção por parte do Ministério Público e da Polícia Federal.
Longe das teorias conspiratórias sobre o suposto patrimônio milionário do empresário (que é constantemente alvo de correntes de e-mail com supostos jatinhos, fazendas ou participações em empresas como a Friboi em seu nome), a realidade de Fábio Luís está muito mais ligada a um caso que tornou-se cotidiano do país, a operação Lava Jato. 
Segundo o lobysta Fernando Baiano, cuja delação premiada foi homologada recentemente pelo juiz Sergio Moro, Lulinha teria tidoR$ 2 milhões em despesas pessoais pagas pelo próprio lobista. 
Para ter sua pena de prisão reduzida, Baiano ainda terá de comprovar suas acusações posteriormente. De pronto, os advogados de Lulinha negam que ele tenha recebido o valor.

Luis Claudio Lula da Silva

naom_562e25f26a876
naom_562e25f26a876Filho mais novo do ex-presidente Lula, Luís Claudio é outro dos irmãos a ostentar o título de empreendedor. 
Apesar de não tão bem sucedido quanto seu irmão mais velho, seus resultados ainda assim são bastante admiráveis. 
De auxiliar técnico nas categorias de base do São Paulo e do Palmeiras, Luis Claudio tornou-se um dos responsáveis por popularizar o futebol americano no Brasil.
Suas empresas, que vão da Touchdown Promoções (responsável pela organização de uma liga de futebol americano com 16 times brasileiros), a LFT (que atua na área de consultoria de marketing esportivo) e a Silva e Carraro (responsável por vender seguros de saúde para construtoras), tornaram-se alvo recentemente da Operação Zelotes, operação da Polícia Federal que desvenda um escândalo de corrupção ocorrido na Receita Federal, cujos resultados podem ser até 5 vezes maiores do que aqueles do conhecido “Petrolão”.
A acusação que pesa sobre as empresas de Luis Claudio, e que levou a Polícia Federal a revistá-las, assim como sua residência, é a de que a LFT Marketing Esportivo teria recebido R$ 1,5 milhão de um dos escritórios envolvidos no lobby da Medida Provisória 471, que estendeu os prazos de benefícios fiscais ao setor automotivo. 
Segundo a Polícia Federal, o pagamento dos valores ocorreu no mesmo período em que as empresas interessadas na renovação da Medida Provisória (notoriamente as montadores de automóveis), repassaram para os escritórios atuantes a remuneração pelos serviços prestados.

A nora desconhecida do ex-presidente

BULMAI / ENTREVISTA
BULMAI / ENTREVISTAOutra delação de Fernando Baiano que promete gerar alvoroço envolve ninguém menos do que Eike Batista e sua empresa OSX, de construção naval. 
Baiano teria trabalhado para favorecer a empresa, hoje em recuperação judicial, a conseguir contratos com a Sete Brasil, uma companhia criada para construir e alugarnavios sonda para a Petrobrás explorar o pré-sal.
A companhia de Eike, cujo estaleiro se encontra no Porto do Açu, no Rio de Janeiro, teria buscado nos contratos com a Sete geração de receita adicional que mantivesse de pé o projeto, após o fracasso de sua companhia de petróleo, a OGX. 
Ao contrário de outras ocasiões em que ex-ministros do presidente Lula teriam agido para favorecer as empresas de Eike Batista, desta vez a acusação do lobista dá a entender que o próprio ex-presidente teria participado de reuniões para favorecer as empresas.
Baiano alega que em certo momento, o próprio Lula ajudou a intermediar os contatos. 
A acusação que pesa sobre a nora do ex-presidente, porém, é a de que um amigo próximo de Lula, José Carlos Bumlai (foto acima), teria pedido pagamentos de R$ 1,5 milhão em nome da nora do ex-presidente. 
O pecuarista, conhecido de Lula desde 2002, teria sido chamado por Baiano para ajudar a intermediar o acordo entre a OSX e a Sete.
O Instituto Lula nega que o ex-presidente tenha autorizado qualquer captação de recursos em seu nome, e o pecuarista, declarou que “não é tão amigo de Lula como dizem”. 
Amigo ou não, o nome de Bumlai aparece em outras delações da Operação Lava Jato onde, especula-se, teria levado 0,1% do valor da obra na Usina de Belo Monte.

O sobrinho de Lula

6ac81f2c78d72622a0b9676d893e3a45
6ac81f2c78d72622a0b9676d893e3a45Prova maior de que o empreendedorismo ronda a família Silva, Taiguara Rodrigues dos Santos, sobrinho da ex-mulher do presidente Lula, se tornou conhecido após apuração por parte da CPI do BNDES de seu sucesso empresarial em Angola. 
Taiguara era sócio de uma empresa responsável por reformar fachadas em troca de vidro de fachadas. 
Morava em um apartamento de quarto e sala, até decidir mudar-se para Angola, onde foi apresentado ao presidente da portuguesa Exergia.
Taiguara tornou-se sócio minoritário da Exergia Brasil, por meio de um investimento de R$ 2,5 milhões, e conseguiu seu primeiro grande contrato em 2011, justamente para a Odebrecht, a empreiteira brasileira responsável por mais de 70% dos financiamentos do BNDES no exterior. 
A Exergia Brasil deveria prestar serviços nas obras da hidrelétrica de Cambambte.
O acordo chamou a atenção dada a falta de expertise do empresário na área. 
Da reforma de fachadas em Santos à construção de casas pré-moldadas, Taiguara saltou para ajudar na reforma de uma hidrelétrica. 
A hidrelétrica em Angola é uma das mais de 3.000 obras no exterior financiadas pelo BNDES, com financiamento concedido justamente em 2011, fato que levou o empresário a ser investigado pela CPI que apura a atuação do banco de fomento do governo federal.
De um quarto e sala a uma cobertura de 255m² em Santos, Taiguara é mais um dos brasileiros que vivenciaram a tão sonhada ascensão social. 
O tempo decorrido entre a fundação da Exergia e um contrato de nada menos do que R$ 6 milhões, foi de 2 anos.

Luis Inácio Lula da Silva

lula_ricardo_stuckert_instituto_lula-790063
lula_ricardo_stuckert_instituto_lula-790063Assim como ocorreu com seu irmão, Genival Inácio da Silva, o Vavá, Lula vem sofrendo acusações distintas sobre o que se convencionou chamar genericamente de tráfico de influência, a capacidade de se utilizar de uma posição privilegiada para garantir a obtenção de contratos que favorecem empresas.
As acusações não são novidade no mundo da política. De George W. Bush ao ex-primeiro ministro português José Socrates, muitos já foram acusados desta prática (Socrates foi inclusive preso por sua atuação junto a uma farmacêutica suíça que obteve contratos em inúmeros países como o Brasil). 
Usualmente os ex-presidentes veem em si mesmos a tarefa de escolher uma causa que valha seu status. No Brasil, onde 3 dos últimos 5 ex-presidentes preferiram manter-se na política, temos Fernando Henrique, que escolheu militar em favor do fim da guerra às drogas, e Lula, que segundo ele próprio, decidiu buscar favorecer empresas brasileiras no exterior.
A ideia de que Lula busca apoiar a expansão do comércio brasileiro no exterior possui alguns poréns. 
O maior deles é sua própria atuação como presidente, que em momento algum aproximou o Brasil da realização de grandes acordos comerciais bilaterais. 
De fato, o Brasil de Lula apenas firmou acordos com Israel, Palestina e Egito; nada mais. 
Outra questão que desperta questionamentos está no fato de que 7 em cada 10 reais emprestados pelo BNDES para obras no exterior destinam-se a uma única empresa: a empresa da qual Lula se diz um “colaborador” em nome do comércio brasileiro. 
Em resumo, Lula apoia as empresas brasileiras – algumas apenas mais do que outras.
Na outra ponta, a Odebrecht parece extremamente interessada em ouvir o que Lula tem a dizer, a ponto de lhe pagar R$ 13 mil por minuto palestrado. 
Pelas palestras, Lula teria apurado uma renda superior a R$ 27 milhões entre 2011 e 2014, segundo aponto o Ministério Público, sendo R$ 2,8 milhões apenas da Odebrecht, que o contratou para dar 10 palestras.
Segundo denúncias da revista Época, que está sendo processada por Lula, o ex-presidente teria colaborado com a Odebrecht e o governo cubano para garantir a realização de contratos, como no Porto de Mariel. 
Conforme apurou a revista, Cuba teria dado como garantia aos empréstimos sua “renda oriunda da exportação de Tabaco”. 
Além desta inusitada questão, os contratos constam ainda cláusulas favoráveis em relação a juros e prazos de pagamento.
Tal confusão levou o ex-presidente a prestar depoimento no Ministério Público Federal de forma voluntária, em uma tentativa de mostrar-se tranquilo na manutenção de sua biografia como o ex-torneiro mecânico e hoje multimilionário empreendedor.
RELAÇÃO DOS BENS DE LULA DECLARADO A JUSTIÇA ELEITORAL EM 2003.
Resultado de imagem para OS BENS DO LULA
RELAÇÃO DOS BENS DE LULA PASSA DE 1 BILHÃO DE DOLARES.
LULA NA MIRA DO TCU
Uma das características mais perniciosas da política brasileira é a deliberada confusão dos governantes entre o público e o privado. 
E se tem um partido político pródigo nesta cambulhada é o PT. 
Após um requerimento que partiu do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), o Tribunal de Contas da União passou três meses fazendo uma auditoria para verificar o desvio e o desaparecimento de bens pertencentes à União nos Palácios do Planalto e da Alvorada durante os governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente afastada, Dilma Rousseff. 
A apuração, realizada entre 15 de abril e 15 de julho deste ano, também averiguou como vem sendo realizada a gestão dos presentes recebidos pelos dois chefes do Estado no exercício do cargo. 
A situação encontrada pelo órgão de controle, nos dois casos, foi alarmante: 716 presentes recebidos oficialmente por Lula e Dilma simplesmente deixaram de ser registrados como patrimônio da União. 
E 4.564 itens sumiram do espólio nacional.
REGALO Presente (à direita) foi ofertado a Lula pelo sultão Bin Zayed, dos Emirados Árabes
REGALO Presente (à direita) foi ofertado a Lula pelo sultão Bin Zayed, dos Emirados Árabes
A ISTOÉ teve acesso com exclusividade ao documento sigiloso preparado pelo Tribunal de Contas, no qual são apontadas dezenas de falhas entre 2003 e 2016. 
No texto, o TCU detalha que dos 731 regalos registrados neste período e destinados aos presidentes petistas, apenas 15 itens foram incorporados ao patrimônio público. 
Desse total, 568 mimos foram endereçados ao então presidente Lula, mas apenas nove deles tiveram o acervo público como destino, ou 1,58%. 
Outros 163 foram encaminhados aos cuidados de Dilma, porém somente seis viraram bens da União. 
Os auditores que assinam o relatório ficaram impressionados: “Esse número é irrisório frente ao total de bens recebidos pelos presidentes de janeiro de 2003 a maio de 2016, em decorrência das audiências promovidas nas visitas oficiais ou viagens de estado, no exterior ou no Brasil”. 
Não fazem parte desse montante cerca de mil outros itens, que foram identificados como de natureza museológica, de cunho pessoal (como grã-colar, medalhas personalizadas) e os considerados de consumo direto do presenteado, como boné, camiseta, gravata, chinelo, perfume, etc. 
A minuta do órgão de controle conclui: “Não há como garantir que os acervos presumidamente privados de 568 bens, pertencente ao ex-presidente Lula, e o acervo de 163 bens, registrados como de propriedade da presidente Dilma, tenham sido corretamente classificados”. 
Em outras palavras, o acervo que deveria ser patrimônio da União pode ter sido catalogado como de propriedade pessoal dos dois governantes.
A reportagem teve acesso à lista dos 15 artigos incorporados ao patrimônio – o que dá uma ideia do tipo de lembrança que os mandatários do Brasil recebem nessas cerimônias com autoridades estrangeiras. Entre eles, duas taças de prata folheadas a ouro 18 quilates, entregues a Lula em 2007. 
Em 2016, Dilma recebeu uma peça em bronze chamada “Solidariedade e Paz”, com a figura de um anjo em atitude mística, obra de autoria do artista plástico italiano Guido Veroi.
2436-BRASIL-TCU-04

O cenário de presentes “perdidos” pode ser ainda pior dada à bagunça no registro desses itens. 
O documento do tribunal classifica como “frágil” e “não confiável” a classificação feita pela Diretoria de Documentação Histórica da Presidência (DDH/PR). 
O órgão responsável pela gestão desses presentes informou ao Tribunal de Contas que na triagem de cada peça, quando constatado tratar-se de artigos recebidos em cerimônia de troca de presentes, ele recebe um registro, uma plaquinha numerada e, depois disso, o item é disponibilizado para exposição em ambiente público. 
De acordo com o decreto 4.344/2002, não são considerados de propriedade pessoal do presidente da República os presentes recebidos em situações caracterizadas oficialmente como “cerimônia de troca de presentes”. 
O texto é claro ao determinar que, nessas ocasiões, os presentes devem passar a figurar imediatamente como propriedade da União.
Cruzando dados do cerimonial, fotos dos eventos e as informações prestadas pelo órgão de gestão do acervo, o Tribunal de Contas descobriu que houve ao menos cinco encontros entre os presidentes brasileiros e chefes de países estrangeiros com cerimônia oficial de troca de presentes, sem que esses bens tenham sido incorporados ao patrimônio, em flagrante desacordo com a lei. Em 2014, Dilma visitou a China, foi presenteada, mas o objeto sequer foi registrado. É como se nunca tivesse existido. 
Ao receber o presidente da França, François Hollande, Dilma ganhou um vaso de porcelana francesa, que também não foi para o espólio nacional. 
Ninguém sabe onde foi parar. Ao TCU, os órgãos como DDH, Ajudância-de-Ordem e Cerimonial protagonizam o famoso jogo de empurra de responsabilidades mas, em resumo, todos atestam que o sistema sempre foi uma esculhambação.
Entretanto, mesmo para troca de presentes que não acontecem estritamente nessas cerimônias oficiais, o TCU entende que o governante, regido pela “moralidade e razoabilidade”, deveria dar igual destino aos objetos, já que o chefe de Estado só está recebendo os artigos em função de cargo de natureza pública e representativa. 
O TCU argumenta ainda que “os presentes ofertados pelo presidente da República (brasileiro) aos chefes estrangeiros são adquiridos com recursos públicos da União. 
Logo, os presentes que ele receba em troca deveriam ser revertidos ao patrimônio”.
BENS EXTRAVIADOS
A auditoria do TCU também fez uma devassa sobre a situação dos bens patrimoniais vinculados à Presidência – denominação que engloba desde uma obra de arte até um grampeador – e descobriu que dos 125.742 itens ativos em junho deste ano, 4.564 estão sob o registro de extraviado. 

De 2008 para cá, o pico aconteceu em 2013, quando desapareceram 1.761 bens. Dos 45 setores de onde as peças se escafederam, o campeão em número absoluto foi o depósito, por ser o que guarda o maior número de bens. 

Em segundo lugar, figurou o Palácio da Alvorada, a residência oficial da presidente.

Quando comunicados, os extravios se transformam em processo administrativo para apurar as responsabilidades, que costumam se arrastar por anos. 
O TCU detectou “limitações e deficiências” em todo o sistema eletrônico, chamado Automation System of Inventory, de propriedade da LinkData Informática e Serviços/A. Atualmente, o controle dos bens vinculados à Presidência da República é feito pela Coordenação de Patrimônio e Suprimento. 
Apenas dezessete servidores têm sob suas responsabilidades cerca de 126 mil itens distribuídos pelas 92 unidades administrativas vinculadas à Presidência. 
De acordo com a assessoria do TCU, a responsabilização pode culminar no pagamento de multas e inabilitação por exercício em função de confiança ou cargo em comissão na administração pública federal por de cinco anos. 
Mas isso tudo sobrará para os servidores. Segundo o TCU, nem Dilma nem Lula devem ser responsabilizados. 
2436-BRASIL-TCU-04

Nenhum comentário:

Postar um comentário