Follow by Email

17 de junho de 2016

POLICIA FEDERAL - LAVA JATO TEM DELAÇÃO PREMIADA DO SR. SÉRGIO MACHADO QUE CITA MAIS DE VINTE POLÍTICOS.

Resultado de imagem para SERGIO MACHADO

Delação premiada de Sérgio Machado cita mais de 20 políticos

Eles teriam recebido propina desviada da Petrobras. 
Teori Zavascki retirou o sigilo do documento.

ASSISTA AO VÍDEO DO SR. SÉRGIO MACHADO

Chega a 400 páginas a delação premiada com o conteúdo liberado ao público pelo STF. Ela é de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, uma subsidiária da Petrobras. Nestas centenas de páginas espalham-se os nomes de dezenas de políticos de seis partidos. 
Em 13 depoimentos nos primeiros dias de maio, o ex-presidente da Transpetro citou 23 políticos de seis partidos que teriam pedido para que ele ajudasse a conseguir dinheiro junto às empresas que tinham contrato com a Transpetro.
Segundo Machado, entre 2003 e 2015, ele repassou mais de R$ 100 milhões para o PMDB. O presidente em exercício, Michel Temer, foi um dos citados. De acordo com Machado, cerca de R$ 1,5 milhão foram repassados a pedido de Temer para a campanha de Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo. Machado diz que também repassou R$ 850 mil a pedido do senador Valdir Raupp
Sergio Machado disse que a prioridade era atender os pedidos de Renan Calheiros, Jader Barbalho, Romero Jucá, José Sarney e Edison Lobão, os políticos responsáveis pela indicação dele à presidência da Transpetro. Eles receberam propina tanto por meio de doações oficiais quanto em dinheiro vivo. E também pagamentos mensais entre 2008 e 2014.
Nas contas de Machado, Renan Calheiros foi o membro do PMDB que mais recebeu dinheiro: R$ 32 milhões. Ainda segundo Machado, o presidente do Senado chegou a receber uma mesada de R$ 300 mil - valor que ainda aumentava em ano de eleição, com doações oficiais.
Procurado, o presidente do Senado elogiou a decisão do Supremo de levantar o sigilo da delação de Machado e disse que todas as doações que recebeu foram dentro da lei.

O segundo que mais recebeu propina de Machado, de acordo com o delator, foi o senador e ex-ministro de Minas e Energia, Edison Lobão: R$ 24 milhões.

Sérgio Machado contou que Lobão afirmou que, na qualidade de ministro, queria receber a maior propina mensal paga aos membros do PMDB, porque sua pasta era a responsável direta pela Transpetro.
Machado também contou que repassou R$ 21 milhões para o senador Romero Jucá.  Para o senador José Sarney, Machado disse ter dado R$ 18 milhões em propina. Os pagamentos a Sarney foram feitos de 2006 a julho ou agosto de 2014.
O senador Jader Barbalho teria recebido R$ 4,2 milhões. Outro membro do PMDB citado por Sérgio Machado é o atual ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, que teria recebido R$ 1,5 milhão.
Na delação, Sérgio Machado diz que não eram apenas os políticos do PMDB que pediam doações para campanha. Entre os nomes citados na delação estão integrantes do PT e de outros partidos, como o PC do B.

Machado citou nomes dos deputados federais Luis Sérgio, do PT, e Jandira Feghalli, do PC do B. E disse que eles pediam ajuda para a campanha deles. Machado estudava e os chamava novamente para dizer de onde viriam os recursos.

No caso de Jandira, ele diz que a Queiroz Galvão repassou R$ 100 mil em 2010. Já para Luís Sérgio foram repassados R$ 200 mil em 2010 e outros R$ 200 mil em 2014. Segundo Machado, a Queiroz Galvão também repassou R$ 142,4 mil para o deputado Edson Santos em 2014.

No depoimento, Machado diz que, embora a palavra propina não fosse dita, esses políticos sabiam, que o dinheiro não viria dele, mas sim de empresas que tinham contratos com a Transpetro.
O ex-presidente da Transpetro também revelou um plano político arquitetado por ele quando era líder do PSDB no Senado e outras lideranças do partido. O objetivo era eleger muitos deputados na campanha de 1998 e viabilizar a candidatura de Aécio Neves à presidência da Câmara no ano 2000. Disputa que o então deputado mineiro venceu.
Machado contou que a maneira encontrada era ajudar cerca de 50 deputados a se elegerem e que, para isso, ele, Vilela e Aécio Neves pediram dinheiro à campanha de Fernando Henrique Cardoso à presidência em 1998. Eles conseguiram levantar recursos suficientes e decidiram que iriam dar entre R$ 100 mil e R$ 300 mil para cada candidato que queriam eleger.
O ex-presidente da Transpetro diz que o plano foi executado com ajuda do então ministro das Comunicações do governo Fernando Henrique, Luiz Carlos Mendonça de Barros, que garantiu que R$ 4 milhões viriam da campanha nacional de 1998 e outros R$ 3 milhões do exterior.
Ainda segundo Machado, desse total, R$ 1 milhão foi para Aécio Neves, que se elegeu deputado naquele ano. Machado também disse que a Camargo Correa repassou, ilegalmente, R$ 350 mil para o PSDB e que a empreiteira sempre foi grande doadora de campanhas tucanas.
Sérgio Machado também relatou propina para o ex-deputado Sérgio Guerra, do PSDB, que morreu em 2014. E para o deputado Heráclito Fortes, que era do Democratas e hoje está no PSB. Segundo ele, em troca da aprovação do projeto do limite de endividamento da Transpetro. Ele disse que estava tendo dificuldades para aprovar o projeto na Comissão de Infraestrutura do Senado, que era presidida por Heráclito.
Machado disse que procurou o senador Sérgio Guerra no gabinete e acertou o pagamento de R$ 2 milhões -  R$ 1 milhão para Sérgio Guerra e R$ 1 milhão para Heráclito. Machado contou que logo depois o projeto foi aprovado e que, no caso de Heráclito Fortes, pagou R$ 500 mil em propina, por meio de doações oficiais. Ficou devendo a outra metade.
Sérgio Machado também relatou o esquema de propina envolvendo pai e filho. Segundo ele, houve repasse de dinheiro ilegal para as campanhas do atual presidente do Democratas, José AgripinoMaia, e do filho, Felipe Maia, deputado federal - os dois do Rio Grande do Norte.
Machado contou que a construtora Queiroz Galvão doou em 2010 para o senador José Agripino Maia mais de R$ 300 mil e, em 2014, para Felipe Maia, R$ 250 mil.
A TV Globo procurou todos os citados por Sérgio Machado. Eles negaram com veemência as supostas irregularidades mencionadas por Machado e criticaram enfaticamente o conteúdo da delação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário