Follow by Email

19 de agosto de 2016

OLIMPÍADAS RJ 2016 - POLÊMICA Nadador americano envolvido em polêmica, Feigen faz acordo com a Justiça e paga R$ 35 mil Depois do acordo, Feigen já está liberado para deixar o Brasil


O norte-americano Jaimes Feigen, um dos quatro nadadores a participar da invenção de um assalto, desmentida pela investigação policial, no Rio de Janeiro, prestou depoimento na noite desta quinta-feira e pediu desculpas pela repercussão causada pelo episódio. 

Feigen foi indiciado por falsa comunicação de crime. Segundo informações da TV Globo, o nadador fez acordo de R$ 35 mil com a Justiça brasileira. 

A audiência durou quatro horas. O dinheiro arrecadado será convertido em material esportivo e doado para o Instituto Reação, da Rocinha, favela do Rio de Janeiro.

Depois do acordo, Feigen já está liberado para deixar o Brasil. Ele admitiu que a história criada por Ryan Lochte era uma farsa. 

Segundo depoimento de Feigen, os nadadores pararam em um posto para urinar quando começou a confusão. 

Além dele, Ryan Lochte, Gunnar Bentz e Jack Conger estavam saindo bêbados de uma festa no Rio. 

Eles danificaram a estrutura de um posto na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio de Janeiro, e foram repreendidos por um segurança do local, que estava armado.

O depoimento de Feigen coincide com os de Gunnar Bentz e Jack Conger. 

Todos eles reconheceram ser mentirosa a história de um suposto assalto, no último domingo. 

A mentira, segundo eles, foi articulada por Ryan Lochte.



Segundo Fernando Veloso, chefe da Polícia Civil do Rio, o taxista que levou para casa duas jovens que estiveram com os nadadores naquela madrugada depôs e confirmou a versão, que havia escutado dentro de seu carro, quando as mulheres conversavam. 

"Não houve roubo, eles não foram vítimas como relataram", disse Veloso.

Ryan Lochte foi o único dos quatro a deixar o Brasil sem prestar depoimento.

Com o acordo, o Ministério Público abrirá mão de processar Feigen, que foi indiciado pela polícia por falsa comunicação de crime. 

A investigação será arquivada, assim que o dinheiro for depositado. 

O atleta deixou o Juizado às 3h30 desta sexta sem dar entrevistas.

A polícia precisa concluir a investigação para responder se os outros nadadores serão indiciados por dano ao patrimônio e/ou falsa comunicação de crime. 

As penas, respectivamente, são de um a seis meses de detenção ou multa (duas vezes, uma para cada uma dessas infrações).

DEPREDAÇÃO

No depoimento que prestou à polícia, o dono do posto de gasolina onde aconteceu o incidente acusou os nadadores de vandalismo. 

Segundo a testemunha, os atletas urinaram em paredes, destruíram uma placa de propaganda e itens do banheiro, como uma papeleira e uma saboneteira.

Outros funcionários contaram à polícia que os atletas chegaram por volta das 6h, de táxi, pedindo para usar o banheiro. 

Pouco depois disso, o gerente foi chamado porque os americanos faziam "algazarra" no fundo do estabelecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário